quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Piques

"Pique-pega", "Pique-cola", "Pique-esconde", "Pique-bandeirinha"... essas são brincadeiras para balançar o esqueleto.

PIQUE-PEGA: Uma criança é escolhida para ser "o pego" (pode ser mediante par-ou-ímpar-americano, o meias velho, o mais novo, enfim, o importante é haver democracia na escolha). Esse pego deve sair atrás do demais. Quando ele consegue "pegar" alguém, este vira o novo pego. E assim vai, atééééé...


PIQUE-COLA: Funciona praticamente do mesmo jeito que o "pique-pega". A diferença é que o escolhido ao invés de "pegar" ele "cola" a pessoa. Ou seja, o escolhido correr atrás dos demais para tocá-los. Quando isso acontece, a pessoa tocada deve ficar parada até que outra que não esteja colada a liberte-a (tocando-a).

PIQUE-ESCONDE: Alguém é escolhido para contar. Isso significa que ele faz a posição de choro do "Kiko" (encosta a cabeça em alguma parede, poste, árvore, enfim, escondendo-a e sem ver aonde os demais vão se esconder) e começa a contagem (1,2,3...). Geralmente, o número estipulado é de acordo com o número de participantes x 10. Ou seja, se cinco crianças brincam, o escolhido conta até 50. Mas isso varia, porque se 15 crianças brincarem é sacanagem o escolhido contar até 150, né?  

Continuando, o escolhido inicia a contagem e os demais procuram lugares para se esconder. Depois que ele acaba de contar, deve sair a procura dos escondidos. Quando ele encontra alguém, tem que chegar primeiro no lugar do pique ( a parede, poste ou árvore que ele fez a posição de "Kiko" e contou) e gritar o nome da pessoa que encontrou. A primeira pessoa encontrada será a próxima a contar. Enquanto isso, os demais devem despistar e serem mais espertos que o escolhido, chegando primeiro no pique.

O legal é que, a última pessoa  a ser encontrada pode salvar todo mundo. Ou seja, se ela conseguir chegar ao pique antes que o escolhido, ela grita seu nome seguido de "salva todo mundo". Assim o escolhido terá que contar novamente.

PIQUE-BANDEIRINHA: É semelhante à brincadeira da  "queimada". Dois grupos são expostos em lados diversos de um campo. Uma bandeirinha (que pode ser um galho de árvore ou uma bandeirinha de verdade) é colocada nos dois lados. O lado "A" tem que pegar a bandeirinha no lado "B" e o lado "B" pega a bandeirinha no lado "A". Mas, não pense que é assim tão fácil: você deve atravessar o campo do componente sem deixar que ele toque em você, caso contrário, você estará "colado" e deverá ficar parado no local em que foi pego. Para se libertar, alguém do seu time tem que tocar em você.

Algumas pessoas, riscam um círculo em volta da bandeirinha. Assim, quando o time chega no objeto e não quer ser pego pelos adversários, pode ficar imune dentro desse círculo. Ou seja, é como se fosse uma proteção e você pode pensar na melhor estratégia para voltar ao seu campo.


O bacana é que essas brincadeiras não tem idade e nem números X de participantes.


Por Laís Marinho

Nenhum comentário:

Postar um comentário